Wednesday, February 21, 2007

É Natal

Um vento gelado cortou o ar sobre o asfalto, enquanto eu me afastava a passos largos de um shopping movimentado pelas ânsias natalinas. O frio vagamente familiar insistia em me lembrar de coisas que eu preferia esquecer, ali. Olhares pobres atravessavam o ar como setas no vazio, atravessando corpos e objetos como flechas sem vontade. Olhares desconhecidos mantinham a humildade de perscrutar, em busca de intimidade, ou de aceitação, ou de visibilidade, desejosos de serem vistos, de existirem aos olhos do sistema.

0 Comments:

Post a Comment

Subscribe to Post Comments [Atom]

Links to this post:

Create a Link

<< Home