Wednesday, April 11, 2007

Acomodar-se

Acomodar-se é não aprender os hábitos epicuristas, seu desprendimento material, sua indiferença à morte, sua busca pelos prazeres simples da natureza, incluídos aí a degustação dos sentidos e da sexualidade. Sua despreocupação com os costumes e a busca da individualidade, para nela, no prazer em si mesmo, na liberdade em si mesmo, aprender o sentido do prazer e da liberdade nos outros. O homem já traz em si a semente do instinto, que ensina a viver em grupo.

Hoje o sistema precisa nos forçar a aceitar outro "viver em grupo", totalmente diferente do ancestral e instintivo "viver em grupo". Naquela época a violência era tolerada como a forma de controle que mantinha o mundo pré-progresso. O progresso só foi possível a partir do momento em que a indústria desenvolveu um novo mundo: asfalto, concreto, plásticos, vidros, ferro, metais, vigas, edifícios. A concentração humana, empurrada para o alto de arranha-céus, transformou a humanidade numa espécie de rato enjaulado. A violência deve ser reprimida pelo estado, a diversidade deve ser diminuída para instigar menos violência. Ritualizamos os conflitos, as disputas, e o canal do esporte passa o futebol de todo dia. Tudo por que acreditamos que são bons os produtos da indústria, o plástico, a música e a imagem eletrônicas, a comunicação instantânea e à distância.

Acreditamos que o progresso nos trouxe a um lugar melhor, apenas por que não sabemos mais viver sem seus produtos.

Mas eu vivi alguns anos afastados de vários desses produtos, e voltei mais forte, mais alegre, mais vivo. As pessoas que vivem longe desses produtos me parecem mais espertas, mais atentas, são muito mais vigorosas.

O progresso significa você deixar de usar seus músculos, seu corpo, para fazer uma determinada tarefa. Antes, caminhava-se, hoje, se vai de carro ou ônibus. Poucos são os que usam bicicleta, ao contrário da Europa e do interior do país. Por outro lado, viver numa cidade grande significa as boas universidades, o grande conhecimento, a grande história, a grande vida. Sim, sim, mas a grande vida, mesmo, está lá fora. Pegue sua boa escola, sua excelente universidade, e vá já correr pelo mundo. Muitos vivem do primário à pós-graduação dentro dos mesmos muros; certamente aprenderão menos da vida, por melhor que sua escola seja. Eu, pelo contrário, acredito que o fato de ter estudado também em turmas ruins me deu uma idéia bem mais clara do que é o mundo.

Crianças não devem ser protegidas do mundo. Como dizia Thin Lizzy, as crianças são bem mais sábias depois das guerras.

Mas caminhamos para um futuro do homem cinzento, pálido, fino, míope e sedentário, que terá todos os serviços a seu dispôr, pagos com o ganho por seus esforços intelectuais. Criaremos duas raças distintas, uma pensante e outra trabalhadora. Uma, cérebro forte num corpo fraco, a outra, um corpo forte numa mente simplória. Não criaremos, não - já fizemos isso há muito tempo. As duas raças jamais se misturam, a não ser nas novelas, e uma explora a segunda como sempre fez.

0 Comments:

Post a Comment

Subscribe to Post Comments [Atom]

Links to this post:

Create a Link

<< Home