Monday, December 04, 2006

Os programadores estão anos luz à frente quando o assunto é cooperativismo.txt

Não sei o que é cooperativISMO, mas quando os programadores do mundo todo fazem gratuitamente serviços como o OpenOffice.org, o Linux, e tantos outros programas bons, leves e eficientes, percebo que os programadores estão muito à frente do restante da humanidade.

Ajudam-se e abalam o monopólio da Microsoft (o Mozilla já é mais usado por quem vê meu blog do que o IE) e fream a queda-de-braço entre software e hardware, que não baixou o ritmo desde meus tempos de estudante, há mais de 10 anos.

Esta briga de foices consiste em aumentar os efeitos visuais, além de, é claro, trazer todos os drivers para os novos periféricos que surgem a cada ano. Mas a facilidade do "plug-and-play" foi apenas por acaso trazida junto com o Windows. O DOS poderia ter tantos drivers como o Windows tem hoje, e ser compatível com toda essa maquinaria moderna, mas a história do computador tem sido até então um aglomerado de coincidências. A cada ano um novo processador, num toque quase mágico, consegue aprimorar ainda mais a perfeição de jogos, a velocidade das simulações, a perfeição dos detalhes, que antes jamais se pensara possível.

De qualquer forma, o computador é uma máquina simples, e é apenas questão de alguns anos para que seu desenvolvimento diminua o ritmo (a não ser na capacidade de alguns periféricos - memória e disco, e de processadores mais avançados apenas para as indústrias de ponta).

Para dizer a verdade, creio que já passou da hora dos processadores deixarem de se desenvolver a cada ano. Chegou a vez do software retornar à simplicidade dos tempos antigos, em que as máquinas eram lentas, e por isso o programa devia ser mais simples. Não que as máquinas devam ficar mais lentas (apesar de que seria a melhor solução para baratear seu custo), são os programas que devem ficar mais simples.

Antes era essencial que não se perdesse tempo com distrações, só se programava o indispensável. Hoje, se você não tem a máquina mais avançada, um simples clip de papel animado no Word, com a pretensão arrogante de ser mais inteligente do que o usuário, às vezes é a gota d'água no nosso humor com a máquina já nem tão user-friendly, isso quando não se soma aos milhões de bytes supérfluos que, por fim, travam a máquina. O código-fonte dos programas era bem menor antes. Hoje a maioria dos usuários não usa mais recursos do que o WordPerfect já tinha 12 anos atrás.

Hoje o Windows não transfere o Ctrl+C Ctrl+V entre o Notepad e o DOS (aliás o "command", que já se chamou "Atalho para o MS-DOS", menos brilhante e portanto menos danoso à visão, menos "colorido"; mas que a Microsoft achou melhor tirar do Menu Iniciar no Windows XP); como também excluiu o direito de mover o cursor do Paint (aquela setinha para desenhar) através do teclado, além de não te perguntar se você deseja atualizar sua cópia do Windows cada vez que você se conecta com seu modem que ainda não é de banda larga. Até você perceber que tem a opção de desabilitar o download automático, já perdeu preciosas horas conectado. Hoje o Windows traz a barra de pastas e a de status ocultas por default em seu Explorer (bom mesmo era o Navegador de Arquivos do Windows 3.11 para Workgroups) e não mostra o tamanho de um arquivo zipado na barra de status. A pergunta é: o que se ganha escondendo informação?

O GetRight ainda é melhor que ambos IE e Mozilla Firefox para baixar arquivos; o Windows Media Player te dá a mais horrível ferramenta para formar os nomes dos arquivos de música copiadas do CD; o OpenOffice faz tudo o que 99% dos usuários precisam. E estou plenamente confiante de que o 1% restante é simplesmente louco.

http://www.micosyen.com/ é uma aula de simplicidade (embora não de humildade) e dignidade. Ele fez o tocador de mp3 de apenas 40,5 KB que uso e recomendo.

Termino com sua "filosofia de design":

"there is no greater elegance than simplicity. 8 bits are preferred over 16 and 16 over 32. 5 MHz clocks are preferred over 50, and 50 over 500. Assembly is preferred over C, and C over C++. The elimination of software bloat is the key to eliminating hardware bloat. The elimination of hardware bloat is the key to creating a product that rises above the cacophony of mediocrity to garner praise for innovation, performance and cost-effectiveness."

0 Comments:

Post a Comment

Subscribe to Post Comments [Atom]

Links to this post:

Create a Link

<< Home