Friday, June 06, 2008

Tao Te Ching 31-40

31

Exércitos são instrumentos sinistros
odiados por toda criatura,
por isso quem segue o Tao os evita.
Uma mente nobre, em casa,
valoriza a esquerda;
dirigindo um exército,
valoriza a direita.
Um exército é um instrumento sinistro,
não é o instrumento de uma mente nobre;
quando seu uso é inevitável,
a calma e a leveza devem prevalecer.
A vitória não é bela,
quem vê beleza na vitória
se delicia com assassinatos.
Quem se delicia com assassinatos
não pode alcançar suas ambições no mundo.
Eventos propícios favorecem a esquerda,
eventos nefastos favorecem a direita.
O segundo general fica à esquerda,
o primeiro general fica à direita,
poderia ser dito que estão em um funeral.
Quando os mortos são milhares
só podemos lamentar.
A vitória na guerra deveria ser triste como um funeral.


32

O Tao, eterno e indefinível,
simples, e embora pequeno,
ninguém no mundo pode dominá-lo.
Se um rei puder abraçá-lo,
tudo e todos o seguirão,
o céu e a terra se unirão,
e choverá licores
sem que o povo ordene,
alcançando a todos naturalmente.
No início surgiram nomes,
nomes já existem demais.
Devemos saber quando parar;
sabendo quando parar
podemos evitar o perigo.
O Tao é para o mundo
o que as nascentes e os córregos
são para o rio e o mar.


33

Quem conhece os outros é inteligente,
quem conhece a si mesmo é iluminado.
Quem domina os outros tem força,
quem domina a si mesmo realmente tem poder.
Quem está satisfeito com o que tem é rico,
quem segue em frente persistente tem ambição.
Quem não perde seu posto dura bastante,
quem mesmo morto não é esquecido tem longevidade.


34

O grande Tao é como uma enchente!
Ele está à esquerda e também à direita.
Todas as coisas dependem dele para nascer,
e ele não as evita.
Alcança seus objetivos sem se apossar deles.
Veste e alimenta todas as coisas
sem se tornar seu senhor,
pode ser encontrado em cada detalhe.
Todas as coisas retornam a ele,
e nem assim ele se torna seu mestre.
Por isso o chamamos grande.
Mesmo perto do fim ele não se engrandece,
assim ele se torna ainda maior.


35

Quem segura a grande imagem (do Tao)
tem todo o mundo a segui-lo;
seguem-no sem desejar o mal,
calmos, seguros e em paz.
Ofereça música e boa comida
e os visitantes permanecerão.
Fale sobre o Tao, e suas palavras
serão triviais e sem gosto.
Olhar não é o suficiente para vê-lo,
escutar não é o bastante para ouvi-lo,
usá-lo não o extingue.


36

Se você quer diminuir algo,
deve aumentá-lo primeiro;
se quer enfraquecer algo,
fortaleça-o primeiro;
se quer derrubar algo,
promova-o antes;
se quer conseguir algo,
deve dá-lo primeiro.
Isso se chama brilho súbito.
O flexível e fraco vence sobre o firme e forte.
O peixe não deve ser retirado do fundo,
nem as armas de um país devem ser mostradas ao povo.


37

O Tao eterno nada faz
e no entanto nada fica por fazer.
Se os governantes pudessem aprender isso
todas as coisas se desenvolveriam naturalmente.
Se desenvolveriam querendo agir;
eu chamo isso de simplicidade sem nome.
Mantendo a simplicidade sem nome
o desejo desaparece.
Sem desejo, calmos, tranqüilos,
o mundo todo se satisfaz.


38

A pessoa virtuosa não se considera virtuosa,
por isso tem virtude;
quem não é virtuoso busca não perder sua virtude,
por isso não a tem.
A pessoa virtuosa pouco faz,
e pouco deixa sem ser feito;
quem não é virtuoso faz muito
e deixa muito por fazer.

A pessoa boa faz o que deve
e não deixa nada por fazer;
a pessoa justa faz o que deve
e deixa sempre algo por fazer.
A pessoa moralista faz o que deve
e se não obtém resposta
força aos outros o seu desejo.

Quando o Tao é perdido, sobra a virtude.
Quando a virtude é perdida, sobra a bondade.
Quando a bondade é perdida, sobra a justiça.
Quando a justiça é perdida, sobram os rituais.

O moralista (o que idolatra rituais) é apenas a casca
da lealdade e da honra, é o início do caos.
Conhecer o futuro é a flor do Tao e o início da estupidez.
Portanto, o indivíduo verdadeiro se mantém
no cerne das coisas, e não na casca;
procura o fruto, não a flor;
deixa ir o outro e mantém isto.


39

No passado cada coisa obteve sua unidade:
a matéria celeste se uniu e se tornou clara;
a Terra se uniu e se tornou calma;
os pensamentos se uniram e se tornaram inteligência;
as águas das nascentes se uniram e formaram rios;
as criaturas se uniram e formaram a diversidade da vida;
os líderes se uniram e governaram o mundo com sabedoria.

Tudo isso vem da unidade.
Se a matéria celeste não estivesse unida,
seus pedaços ainda estariam espalhados feito pó;
se a Terra não fosse tranqüila, entraria em erupção;
se a mente não trabalhasse em ordem, perderíamos a razão;
se as nascentes secarem, os rios também secarão;
se as criaturas forem exterminadas, a beleza da vida se apagará;
se os líderes não se entenderem, suas nações sofrerão.

Assim, o valioso tem no humilde a sua origem,
o alto tem no baixo sua fundação.
Por isso os líderes chamam a si mesmos de
solitários, miseráveis e sem valor.
Isso não é o humilde mostrando sua origem?
Não é?

Portanto, a honra vem da não-honra.
Melhor que querer brilhar como ouro
é ser opaco e comum como as pedras.


40

O movimento do Tao é o retorno;
o uso do Tao é a entrega.
Todas as criaturas surgiram da existência;
a existência surgiu do nada.

0 Comments:

Post a Comment

Subscribe to Post Comments [Atom]

Links to this post:

Create a Link

<< Home