Friday, August 06, 2010

Homossexualidade, natureza e antinatureza

Durante séculos os homossexuais sofreram perseguições, assassinatos e uma silenciosa humilhação, injustiças que ainda estão muito longe de acabar. Até hoje muitos não podem se abrir com ninguém para tentar entender por que seu desejo sexual é diferente da maioria. Agora que começam a ter espaço para falar, as pessoas que se incomodam com a diversidade sexual posam de vítima por não poderem continuar a perseguição! Essas pessoas conhecem quantos cientistas pesquisando as causas da homossexualidade? Por que nunca citam alguém, ao invés de defender absurdos sobre o que desconhecem?

"Um dogma, um mantra, sobre o qual não se pode refletir", como é por vezes chamada a defesa dos homossexuais, é na verdade aquele que diz que a homossexualidade é nefasta, apenas porque a Igreja condenou o sexo a ser uma ferramenta político-social para o aumento da manada, e não mais um prazer ligado à liberdade individual. Se você conhecer vários gays e perguntar a eles quando eles descobriram esse sentimento, esse desejo, se e como tentaram controlá-lo, etc. vai ver que o que muda com o tempo são os termos que a mídia usa, não a libido das pessoas.

Se alguém, querendo explicar a anatomia dos órgãos sexuais, usa a expressão "órgaõs feitos para" está implicando um criador (ou uma criadora? ou vários criadores e criadoras? aí depende da sua mitologia). Se a objetividade for buscada, chegaremos às ciências, e nesse campo descobriremos que vários órgãos evoluíram sob uma adaptação e modificaram-se por outros usos (fenômeno que Stephen Jay Gould chamou de exaptação). Tudo isso faz parte da natureza.

Outra coisa que faz parte da natureza é justamente a variação. Já parou para pensar porque mais ou menos 10% da população é canhota? Por que não 50%? Ou zero? Uma minoria das onças-pintadas são negras. Entre os animais ditos eussociais (como formigas, abelhas, vespas, cupins e alguns mamíferos), parte dos indivíduos pode não se reproduzir. Traduzi este parágrafo da wikipedia em inglês (verbete Eusociality):

"O fenômeno da especialização reprodutiva é encontrado em vários organismos. Geralmente envolve a produção de membros estéreis da espécie, que se encarregam de tarefas especializadas, efetivamente cuidando dos membros reprodutores. Pode se manifestar no surgimento, em um grupo, de indivíduos cujo comportamento (e às vezes anatomia) são modificados para defesa do grupo, incluindo auto-sacrifício."


Quem sabe a espécie humana é eussocial? Isso explicaria a origem do homossexualismo, que por estar presente em todas as culturas conhecidas requer uma explicação. O prazer sexual entre estes indivíduos (estéreis e/ou homossexuais) ainda está presente, mas por não gerarem filhos têm tempo extra para se dedicar a outras coisas que beneficiam o grupo (sabemos, por exemplo, que vários grandes artistas e cientistas eram homossexuais, como Oscar Wilde, Mario de Andrade e Alan Turing, para citar bem poucos). Mas é claro que outras hipóteses podem ser levantadas, bem mais sensatas do que buscar justificar o idealismo do filósofo Platão - herdado pela igreja - de que apenas uma forma de comportamento é a "ideal".

Quando alguém escreve ironicamente "o ato sexual humano também tem objetivo reprodutivo, alguém nega?" - é claro que ninguém sensato negaria - o que acontece é o contrário, e essa palavra "também" é esclarecedora: o que muitos negam é que o ato sexual humano tenha outros objetivos, não reprodutivos. E daí condenam o homossexual ao opróbrio, ou seja causam uma tragédia na vida de milhões de pessoas, apenas por ignorância e por seguir cegamente o que a igreja inventou para seu próprio benefício político e dos impérios que assim ergueu.

A homossexualidade não vem por cópia ou instrução. A maioria dos homossexuais nasce em famílias "normais" (ou seja, estatisticamente majoritárias, com pais, mães e irmãos). Muitos nunca viram um gay, mas sabem que algo vai diferente dentro deles desde muito cedo - tão cedo como os 5 anos de idade. Revertendo esse tipo de argumento, se o homossexualismo for mesmo parte da natureza humana (e tudo leva a crer que seja, em alguns indivíduos) você forçar esses indivíduos a viverem como heterossexuais gerará sofrimento para eles e para seus futuros cônjuges. Isso sim, é uma "educação deficitária".

Outra coisa, ao comparar humanos com outros animais, cada traço deve ser comparado dentro do seu próprio contexto ecológico, adaptativo, fisiológico, comportamental e evolutivo. A maioria das comparações feitas por leigos são incorretas por não levarem nada disso em consideração. Quando se ilustra que o comportamento homossexual existe em várias espécies, está se mostrando que ele não é "apenas" uma cultura humana. Agora, se alguém acha que deixar uma criança crescer sem nenhum pai e nenhuma mãe (as crianças esperando adoção são mais numerosas que os casais aptos a adotar) é certamente melhor do que permitir sua adoção seja por uma mãe solteira, um pai solteiro ou um casal homossexual, é algo a se perguntar a essas crianças depois que elas chegam na adolescência sem ter recebido nenhum amor pessoal e exclusivo.

Você nunca viu fêmeas de animais em situações homossexuais? Dê uma olhada no comportamento dos chimpanzés bonobos (Pan paniscus). Ao contrário dos chimpanzés comuns (Pan troglodytes), onde um ou dois machos dominam a hierarquia do bando, as fêmeas de bonobo criam laços estreitos através da satisfação mútua do prazer sexual - masturbam-se umas às outras - e se unem também contra qualquer macho que queira liderar o bando. Tornam-se assim, graças ao sexo não reprodutivo, animais mais pacíficos. Considerando que nenhuma das duas espécies é mais próxima de nós na árvore evolutiva, talvez possamos escolher qual tipo de comportamento desejamos para nós mesmos. A natureza é cheia de pródigas lições de humildade, será por isso que a destruímos? Para que não machuque nossa ignorância prepotente?

Há quem compare uma pessoa com mal de Parkinson a um homossexual, dizendo que nenhum dos dois pode adotar uma criança. O que mais uma pessoa com Parkinson não pode fazer? Pode dirigir? Pode trabalhar? Pode cantar, dançar, ir à praia, correr, tomar sol, discutir ética, política, filosofia, apreciar arte, divertir-se, fazer festas? Tudo isso um homossexual certamente pode. E não precisa tomar remédios para nada disso.

No final ainda é preciso tocar no delicado assunto da pedofilia. Seria fácil para mim dizer que não tem nada a ver com o homossexualismo, e na maioria dos casos não tem mesmo. O mais comum são homossexuais (homens) gostarem de outros homens com características masculinas (pêlos, músculos, ereção, desejo sexual, voz grossa, etc). Mas alguns gostam de garotos. Ainda assim, é preciso separar os pedófilos que se sentem atraídos por crianças de 6-7 anos dos que preferem a faixa etária de 12-14. Afinal, nesta fase os garotos já batem punheta. Não sabemos agora, mas é possível que a iniciação sexual tenha ocorrido bem cedo com outros membros mais velhos do mesmo grupo durante grande parte de nossa jornada evolutiva - da mesma forma como acontecia/acontece entre tribos "primitivas" cuja cultura foi praticamente destruída pelo colonizador cristão "dono da verdade" (vão ver a vida sexual dos índios brasileiros para se informar). Não será proibir o acesso ao sexo até os 16 ou 18 anos uma perversão muito maior e mais prejudicial que a iniciação precoce? Não será esse tipo de repressão que gera em alguns adultos esses desejos que são então chamados de desviantes? Quem dirá não serão os preconceitos de certas mitologias que posam de verdades absolutas. Precisamos de pesquisa antropológica aqui. Ainda assim, depois que separarmos o que pode existir de "natural" e o que pode existir de "desvio" nesta única palavra - pedofilia - ainda restará a homossexualidade, a relação sexual de consenso entre dois adultos independentes e livres. E sobram ainda os achismos, preconceitos e heranças de uma religião opressora que já começa errada ao destruir o legado cultural dos povos precolombianos como se fosse a dona da verdade, dona do mundo e dona da libido universal.


Entretanto, temo que tenha escrito demais para nada. As pessoas que detratam os homossexuais fazem isso por acreditarem na "santa madre" igreja. Fazem isso porque são incapazes de abrirem livros e fazer pesquisas que lhes dariam um pensamento próprio, que fatalmente as tornaria críticas das crenças arraigadas entre os demais membros do seu grupo, e claro, as fariam sofrer por isso, embora muito menos do que sofrem os homossexuais vítimas dessa maioria medrosa. Não existe argumento lógico que faça essas pessoas enxergarem as manipulações, os interesses políticos, as reviravoltas históricas e toda a podridão que acompanha esses homens "de bem". Não há argumento que os faça perceber que sua mitologia favorita é apenas uma entre muitas, e que é apenas uma mitologia, e não a realidade - essa sim, clara e cristalina ao nos mostrar que a natureza é rica em diversidade, não em ideais.

2 Comments:

At 2:50 PM , Blogger killa said...

Parabéns maravilhoso conteudo escrito.

 
At 10:26 PM , Anonymous Rodrigo said...

Muito obrigado!

 

Post a Comment

Subscribe to Post Comments [Atom]

Links to this post:

Create a Link

<< Home