Tuesday, June 10, 2008

O frio necessário do conhecimento

O que causou a loucura de Nietzsche foi provavelmente o isolamento. Quanto mais estudamos, quanto mais lemos, quanto mais descobrimos, mais nos afastamos da massa de onde viemos, mais subimos rumo a um desconhecido gelado -- subimos no sentido de um esforço contra uma gravidade psicológica -- mais afastados nos tornamos de nossos parentes e amigos.

A massa não tem preguiça de pensar. Talvez ela saiba instintivamente que o pensamento esclarece, mas também resfria. O trabalho para escalar o conhecimento não é pouco, e não apenas são poucos os que têm condições e oportunidade de empreendê-lo, como também são poucos os que têm coragem de enfrentar suas conseqüências. É como sair de casa num inverno nevado para cortar lenha. As crianças que ficaram em casa aproveitam o calor fornecido pela lareira, mas é o trabalho daquele que enfrentou o frio que tornou o fogo possível.

Em nossa sociedade, a grande massa (onde se vê gente de todos os níveis sociais) é feita desse tipo de infantes psicológicos (em biologia seriam chamados de "mentes neotênicas"): apegam-se ao recanto quente e aconchegante do preconceito religioso, desde que tenha alguém que dele se afaste para gerar-lhes o calor do conforto.

***

Pensemos de outra forma: e se ninguém se habilitasse a buscar lenha lá fora? E se fôssemos todos religiosos que pensam ser melhor não pesquisar nada, não descobrir, não questionar? Como desenvolveríamos nossas teorias econômicas, nossos comércios marítimos? Como consertaríamos os computadores, como manteríamos a internet funcionando (e a programação televisiva nos envenenando)? Como fabricaríamos alimentos e remédios para bilhões de pessoas? Talvez nos surpreendêssemos com um resultado melhor que o previsto, mas duvido muito que decidiríamos conscientemente por tal suicídio coletivo.

Pensemos agora da forma inversa: e se todos crescessem e cada um buscasse para si parte da lenha? Ou talvez se revezassem na tarefa, permitindo aos que ficassem a execução de outras atividades, jogos, criações artísticas, esportes, passatempos, ou até mesmo... descanso! Sim, creio que seria algo melhor do que o entretenimento passivo, alternado por obrigações produtivas desprovidas de sentido (como nas indústrias e no comércio), e coroados ambos pela comunhão com um fantasma cosmopolita arrogante, que nos dá todos os dias a pílula azul do esquecimento, e ainda costuma cobrar por isso.

Caridade? Façam uma caridade ao mundo inteiro, lendo isto ou isto .

2 Comments:

At 8:51 AM , Blogger Chico Prosdócimi said...

Gostei da analogia da lareira.

Discordo, entretanto, que são poucos que têm condições e oportunidades de apreender o conhecimento da humanidade. Acredito que todos têm condições e podem ter oportunidade, se assim desejarem. Acho que é mais uma questão de interesse pessoal, por um lado, ou conformismo, por outro.

O revezamento da lenha é uma boa idéia. Socialmente falando, ele acontece e por isso que precisamos trabalhar e por isso que temos teorias econômicas, comércios, alimentos, remédios e internet. Intelectualmente falando, entretanto, creio que ele não acontece. E é por isso que nossa sociedade é composta por uma massa de ignorantes.

A maior parte deles está satisfeita em fazer parte deste "contrato social" e seu labor diário é o máximo que fazem ou querem fazer pela sociedade. De mais a mais, querem apenas o descanso. Intelectuais e filósofos são aqueles que se comprometem além daquilo que os exige o "contrato social". São esses os grandes heróis da sociedade, os carregadores de lenhas, os maiores entre os grandes.

(Mas posso estar viajando.)

 
At 9:16 PM , Blogger Rodrigo said...

"Acho que é mais uma questão de interesse pessoal, por um lado, ou conformismo, por outro." Se você conhecesse o norte você mudaria de idéia. Aqui os professores são quase analfabetos, e os livros bons que lemos não estão por aí.

Interessante sua idéia, o rodízio acontece socialmente, mas não intelectualmente. Só não acho que seja "braveza" dos intelectuais. Acho que eles deviam ter desde pequenos algum calo no sapato, ou alguém lhes ensinou cedo o benefício da dúvida. O comportamento da massa talvez não seja explicada pela preguiça, talvez seja justamente o contrário, são vítimas que tiveram toda sua força drenada pelo mal religioso, e agora estão doentes demais para conseguirem se livrar do parasita. Mais um motivo para combatermos a religião tanto quanto pudermos.

 

Post a Comment

Subscribe to Post Comments [Atom]

Links to this post:

Create a Link

<< Home