Sunday, June 08, 2008

Vem com o papai, cristão!

II. 1 29 [41] 375-376
"Existe uma outra escola que quer levar em consideração tudo o que constituiu uma 'potência histórica' e que avalia o que é grande com esta régua: é 'grande' o que exerceu uma influência histórica duradoura. É isto que se chama confundir quantidade com qualidade. Quando a massa rude encontra este ou aquele pensamento, esta ou aquela religião completamente da sua conveniência e a defende com furor, então, o autor e fundador deste pensamento é visto como 'grande'! Mas por quê? As coisas mais nobres, mais elevadas, não atuam sobre as massas; e o sucesso histórico do cristianimso não prova felizmente nada quanto ao seu fundador, provaria antes algo contra ele; mas aqui o fato original parece ter desaparecido totalmente, deixando apenas um nome para designar certas tendências das massas e de numerosos indivíduos ambiciosos e egoístas."
- Nietzsche, Escritos Sobre História, Ed. PUC-Rio/Ed. Loyola. p. 293.

Lembra um pouco o Argumento Circular mais comum de todos os tempos: a Bíblia é sagrada pois é a palavra de Deus. Como sabemos que é a palavra de Deus? Está escrito em suas páginas, e uma vez que suas páginas são sagradas, é verdade.

COMO AS PESSOAS ACREDITAM EM ALGO ASSIM? Eu me belisco, mas não acordo.

0 Comments:

Post a Comment

Subscribe to Post Comments [Atom]

Links to this post:

Create a Link

<< Home